Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Pai de santo invade palco, benze Temer e diz que há "macumba" contra presidente
19/12/2017 18:19 em Política e Economia

Em meio a convenção do PMDB, Uzêda diz que as recentes internações do presidente são provenientes de "um trabalho de vodu"

Um pai de santo roubou a cena na convenção do PMDB, nesta terça-feira, 19, em Brasília. Conhecido como Pai Uzêda”, o homem subiu ao palco, benzeu o presidente Michel Temer e disse que fizeram “macumba" contra o peemedebista. "Fizeram um trabalho de vodu, por isso que ele teve a doença. O trabalho que fizeram contra o doutor Michel era para ele morrer no hospital", afirmou Pai Uzêda, que, logo depois, responsabilizou o PT por todos os problemas de Temer. “Fui benzer o presidente porque o PT fez macumba contra ele", insistiu.

 

Na semana passada, Temer passou por um novo procedimento cirúrgico. Nesta terça, o presidente chegou a cancelar a participação na convenção, o que aumentou as especulações sobre o seu estado de saúde. Quando assessores do Palácio do Planalto viram o pai de santo no palco da convenção do PMDB, ao lado do presidente, ficaram assustados e pediram para que o homem fosse retirado dali. Temer, um pouco constrangido, sorriu e chegou abrir os braços para receber o "passe".

 

Vestido de branco e segurando ramos de uma planta chamada guiné, "usada contra morte e doença", o pai de santo disse que esteve antes no Palácio do Jaburu e no gabinete de Temer, no terceiro andar do Planalto. Falou que naqueles locais foram encontrados "quatro bonecos" de vodu contra o presidente.

 

"Eu fui defumar, benzer, tirar tudo. Era uma urucubaca brava ali", repetia Uzêda. Bastante agitado, ora dizia ter sido contratado por "dona Marcela" ora pelo PMDB. Questionado sobre há quanto tempo conhecia a primeira-dama, respondeu apenas que ela era "linda, maravilhosa".

"Jogaram pesado contra o presidente. Muita macumba contra ele, contra (o presidente da Câmara) Rodrigo Maia (DEM-RJ) e contra toda a cúpula do PMDB. O assunto é sério", comentou. Dizendo ser da "umbanda da linha branca", o pai de santo usava um crachá de "convidado" da convenção. O PMDB negou que tenha contratado os serviços de Uzêda. “Não tem nada a ver conosco”, afirmou o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR).

 

 

COMENTÁRIOS